Por que não consigo um amor de verdade?

Por Mariana Viktor

Não nascemos para ficarmos sozinhos e, muitas vezes, a solidão dói tanto, mas tanto, que essa pergunta nem quer saber mais de resposta, quer é uma solução eficiente e rápida – “porque quero um amor é agora, não quero uma explicação!”

Quando somos tomados por este estado de espírito de “ambulância”, o que era para acontecer naturalmente e ser gostoso por natureza, vira amargura e urgência de preencher o lugar vazio. Então… O tal vazio vai ficando cheio, mas de sentimentos que fazem mal.

Daí vem mais cansaço. De bater a cabeça (e o coração) no muro da busca frustrada, da decepção com um e outra, da espera que parece nunca ter fim, da carência que cresce mais. Muitas vezes a exaustão é tamanha que afeta o humor e prejudica a saúde, o trabalho, e até as relações sociais e familiares.
Daí o dedinho empurra o primeiro dominó e desencadeia uma sequência de comportamentos desesperados (de agradar, de chamar a atenção, de competir, de fingir ser quem não somos, porque não nos achamos “bons o bastante”).

E quando o último dominó vem ao chão, sem resolver absolutamente nada, estamos tão pra baixo que nem lembramos mais o que é amor. Sequer acreditamos que isso exista mais do que a Fada do Dente. A negatividade toma conta de vez dos nossos pensamentos e emoções, o céu se fecha, a noite eterna se instala dentro e em volta de nós – como se eterna fosse mesmo.

A situação parece tão sem saída -e sem entrada- que pra cúmulo dos cúmulos, como se não faltasse mais nada, até aquela pessoa com quem estava quase rolando um clima, passa a nos evitar.

“Mas poooor queeee isso está acontecendo comigo?!”

Porque os outros captam de alguma maneira nossa negatividade, nossa carência, nosso desespero, nossos joguinhos de sedução. E nem o fato de ter o corpinho que pedimos a Deus dará jeito nessa situação, porque emocionalmente estamos pesando toneladas.

E para quem imagina que o problema é falta de gente disponível, Eric Klinenberg, pesquisador da Universidade de Nova York, levantou dados surpreendentes: no mundo existem 277 milhões de pessoas sozinhas – sem falar de crianças, adolescentes e bebês.

E como é que você pode sair desta lista e ter um amor de verdade?

Lembra da máxima bíblica “ame ao próximo como a ti mesmo”? Pois, então, há pelo menos dois mil anos já se sabe que o amor deve começar em você.
Mas como é que se faz isso?

É incomensuravelmente mais simples do que toda a energia gasta pra nada até chegar ao ponto de não sobrar ânimo nem pra buscar um copo de água na cozinha. E incomensuravelmente mais gostoso do que todas as lágrimas (repletas de sal) que choramos enquanto isso.
Anota a receita: desenvolva um olhar amoroso. Queira bem a cada pessoa, bicho, planta que cruzar o seu caminho. Abençoe em silêncio tudo que vive. Todos os dias. De preferência o dia todo.

“Mas só isso, Mariana?!”

Só! Porém requer prática diária e não pode ser feito por interesse, tipo “vou fazer isso pra conseguir um amor”. Se tiver segundas intenções nem comece, porque não vai dar certo.

“Ok, e depois o que acontece?”

De repente um sentimento quentinho começa a nascer dentro de você.
De repente seus olhos começam a brilhar.
De repente você descobre que a sua vida tem um monte de coisas bonitas que você não via antes.
De repente as pessoas passam a tratar você com mais gentileza.
De repente você se torna uma pessoa gostosa de ter por perto.
De repente você se percebe sentindo bem-querer por tudo, até por você.
De repente você está feliz sem razão.
De repente para de sentir inveja de casais apaixonados e os abençoa também.
De repente, alguém aparece.
De repente o papo flui tão redondinho, tão leve, que de repente você se dá conta que não precisa fazer força alguma pra se gostar ou pra que gostem de você.
De repente isso tudo aconteceu.
E olha que você nem estava com sua roupa caríssima, com o cabelo alinhado e com o seu melhor perfume.

Você simplesmente ajustou a forquilha e achou amor aí dentro. O resto foi consequência.

Texto original: http://somostodosum.ig.com.br/clube/c.asp?id=45755

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *