Produzindo mágoas

Mágoa! Dor que se forma pela tristeza gerada por uma colocação. Marca que se fixa em nossa alma, como um papel que, após amassado, tentamos alisá-lo. Nunca mais será o mesmo.
Pois é. As pessoas não param para pensar sobre o quanto de mágoas estão causando aos demais por comentários impensados, levianos. Muitas vezes por comparações que acreditam ser elucidativas e que trarão luz para quem as recebem, mas que só estão gerando mais um “vinco”, mais uma marca. Também por críticas “ácidas”, aquelas que se querem fazer contundentes e, então, não só se é hostil, mas repetitivo e várias vezes.

Já falamos que perdoar não é esquecer, mas sim desprender-se do fato que gerou a mágoa, a dor. Um dia esta marca será até esquecida, porém, ela estará registrada em nosso passado.
Todos temos mágoas. Não adianta querer negar. Então basta olharem para suas próprias mágoas e observarem como é difícil se desligarem delas. Então, por que acham que com aqueles que magoamos deveria ser diferente?

Aqueles que se sentem magoados carregam uma grande tristeza dentro de si. Muitas vezes disfarçam até de si mesmos tal tristeza, mas ela se manifesta em seus atos, em sua vida. Quando alguém chama sua atenção para isso, normalmente dizem: “Não há nada, eu estou bem, não se preocupe!”

Como evitamos problemas nos relacionamentos, quando pensamos antes de falar!

Comecem pensando primeiro no que é que querem realmente falar. Qual é o foco da colocação a ser feita? Após estarem com isso bem claro, então, pensem na forma como deverão falar.

Já falamos que semelhança não é igualdade, e as comparações normalmente ocorrem pelo aspecto negativo das pessoas. Poucos as fazem quando é positivo.

Podemos (e devemos) mudar nossos relacionamentos para melhor (muito melhor) apenas modificando nossa conduta com o outro.

Que tal começarmos enaltecendo o que é bom e é qualidade nas pessoas, em vez de criticarmos o que não gostamos?

Fonte: https://www.somostodosum.com.br/clube/artigos/psicologia/produzindo-magoas-56800.html

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *